Mais zombies

Acabei ontem de ler o “Zombie Survival Guide” (já mencionado anteriormente). Depois voltei a ler várias partes do mesmo, e até fui investigar (Wikipedia e afins) sobre algumas coisas mencionadas no livro.

Apesar de saber que zombies não existem realmente (?), lá para o fim do livro tive de dizer isso a mim mesmo uma ou duas vezes. A parte final, onde são descritos “outbreaks” de zombies ao longo da História, é mesmo “creepy”. Sobretudo porque muito do que lá é descrito é baseado na realidade – alguns do exemplos são, realmente, até hoje, mistérios, como a “colónia desaparecida” de Roanoke.


Outro exemplo menciona a descoberta de um barco português (!), na era dos descobrimentos, à deriva, em que toda a tripulação tinha desaparecido, excepto o capitão, descoberto com uma bala na cabeça e uma pistola ao pé – obviamente, suicídio. E, no porão, uma fila de cadáveres de escravos africanos acorrentados em linha, todos com dentadas e em decomposição há tempo indeterminado (provavelmente alguns anos). O livro sugere-nos o horror sentido pelos escravos, visto que um deles provavelmente foi infectado por um dos portugueses, já “zombificado”, e depois cada escravo, ao transformar-ze em zombie, infectava (mordendo) o seguinte da fila. Não era uma coisa rápida – entre a infecção, morte e subsequente zombificação, são várias horas. Imagine-se o horror dos últimos escravos na fila, ao ver a morte aproximar-se lentamente, ao ouvir os gemidos dos zombies e os gritos de terror dos companheiros ainda não infectados.

Nada no livro é descrito como ficção ou comédia. Como já tinha dito, o tom de todo o livro é 100% sério, e, se zombies existissem, o livro seria realmente útil. É uma sensação estranhíssima pensar que se isto fosse real, eu saberia o que fazer – e não li o livro como se estivesse a “estudar” ou a “preparar-me” – simplesmente, foi difícil largá-lo. Acho que vou comprar mais uns e oferecer a amigos. 🙂

É mesmo um livro difícil de largar, e isso é dos maiores elogios que se pode fazer a qualquer livro.

Lembrem-se: no place is safe, only safer. Organize before they rise.

Os comentários estão fechados