A "morte" do cepticismo?!?

Ainda há pouco tinha falado da tendência de “misticismo new age” do Steve Pavlina, e cá está um post, The Death of Skepticism.

O tipo é, sem dúvida, muito inteligente, e escreve extremamente bem. Mas… há algo de seriamente errado num post como este. Amanhã ou depois talvez comente isto em mais detalhe no WotM, mas quero deixar o post dos mitos sobre o ateísmo como “último post” durante pelo menos um dia, por isso… vai aqui. As I said, isto é só “por alto”, e não vou abordar todo o post dele, só algumas partes que deviam “tocar os sinos de alerta” em qualquer ser humano racional.

Apparently it’s cool to be a doubter these days.

Excuse me? Em que planeta é que ele vive? Naquele planeta fictício em que vivem os cristãos que se dizem “perseguidos”, apesar de serem uma maioria esmagadora da população, incluindo a maior parte dos governantes, só porque o foram durante algumas décadas no tempo dos Romanos?

Steve, meu rapaz, NÃO É COOL DUVIDAR NOS DIAS DE HOJE! Muito pelo contrário, se duvidas, se és um céptico, chamam-te um “materialista”, um “tipo frio e cinzento”, e coisas piores. E isso é aqui; nos EUA, onde tu vives, as coisas são bem piores: chamam-te “comunista”, “traidor”, “terrorista”, “anti-americano”, e outras baboseiras. Menos de 10% da população dos States é minimamente céptica, e há uma grande discriminação contra ateus, ou seres puramente racionais em geral.

I realized that if the universe were actually subjective, I’d never recognize it as such if I believed it was objective, since I’d simply manifest an objective universe.

Vários problemas com isso:

1- nunca sonhaste? Em criança, nunca acreditaste que havia, realmente, monstros debaixo da cama, ou coisas do género? E os monstros apareceram, passaram a existir? I don’t think so.

2- és o único ser vivo no mundo? Por essa “lógica”, se os pensamentos criam a realidade, mas não o fazias por acreditares que esta é objectiva, então outros deviam estar a fazê-lo, na mesma. Aconteceu alguma coisa? Tinhas um vizinho com “poderes estranhos”? Não me parece.

Unfortunately, testing for subjectivity is an oxymoron. You can’t actually test for a subjective universe. The whole idea of testing implies doubt, and doubt will corrupt the test if the universe really is subjective.

Puro disparate. Esta mentalidade implica uma redução intelectual de tal ordem, que se passa a ver “relações” onde elas não existem. A mente humana é, realmente, muito influenciável, e, se efectivamente nos convencermos de alguma coisa, é provável que “vejamos” essa coisa mesmo que ela não esteja, de facto, a acontecer.

Se te convenceres de que tens poderes mentais, que sentes “flashes” precognitivos, então senti-los-ás, mas só te lembrarás daqueles que coincidiram. Os outros serão esquecidos; afinal, estás a “mentalizar-te” para acreditar.

Ou vejamos as coisas de outra forma: se, para os teus “poderes” funcionarem, é necessário não teres qualquer espécie de dúvida, então porque não pedir a outra pessoa para os testar? Podes ter a “certeza” absoluta, e deixar o cepticismo para a outra pessoa. Ou os teus poderes são assim tão débeis que mesmo o cepticismo da pessoa ao pé de ti os afecta? Só funcionam se estiveres rodeado de crentes cegos, totalmente desprovidos de espírito crítico? A proximidade de um ser racional é como kryptonite para ti? 🙂

A sério, até me faz bem ver posts destes, como lição de que até tipos geniais podem ser totalmente irracionais, ocasionamente, e deixar-se levar pelo “wishful thinking”.

And, Steve, if you’re reading this, I’ll write about this in English in a day or two. 🙂

2 Comentários a “A "morte" do cepticismo?!?”

  1. raul diz:

    do write about it in english please,
    cause my spanish can only get me so far in understanding your objections)

    notsteve)