Ainda sobre o "pedir desculpa"…

Pedir desculpa é uma coisa nobre e bonita de se fazer, e não envolve auto-humilhação, penitência, ou algum disparate do género.

Mas “pedir desculpa” sem se achar que se fez algo de errado, sem se saber sequer pelo quê, é hipócrita, falso e cobarde. É usar “desculpa” como se fosse uma palavra mágica, sem nenhum significado, que resolve magicamente o problema (problema esse que basicamente consiste na outra pessoa estar chateada connosco por alguma razão que não entendemos nem estamos preocupados em entender).

E, sim, isto é irritante.

3 Comentários a “Ainda sobre o "pedir desculpa"…”

  1. Sarita diz:

    Hmmmm…

    Eu acho que passamos a vida a fazer merda, é inevitável a condicao humana. Como tal, ele há-de haver um sem numero de situacoes em que nao nos apercebemos que fizemos disparate ou magoámos alguém.

    E quando vemos alguém de quem gostamos chateado por alguma coisa, é natural que na nossa brilhante condicao humana achemos que tenha a ver com algo que fizemos – porque é estatisticamente viável.

    Pedir desculpa nessas circunstancias nao é mau e demonstra termos nocao que de vez em quando andamos distraídos mas que nao fizemos por mal e que queremos que a pessoa de quem gostamos perceba isso.

    Ai a p*ta da vida, que eu ando tao bem disposta que sou incapaz de ver as coisas pelo lado negativo. Desculpa. (Ou nao :O)

  2. Cris diz:

    No final de ler esta tua observação não consegui deixar de ficar submetida a alguma irritação!
    A sensação que tenho é que para ti as pessoas só pedem desculpa por actos conscientes… apesar de te explicarem muitas vezes e com todas as letras que se pode magoar e só depois de nos chamarem a atenção é que damos conta da merda que fizemos…mesmo assim, continuas a achar que a usam como, qual é o termo mesmo?? “palavra mágica”.
    Talvez não devas insinuar que não leio ou incitar-me para que o faça… Acaba sempre por correr mal!!

    • Cris, estás a falar de uma coisa completamente diferente do que eu escrevi. Eu sei que é perfeitamente possível (e é, até, comum) não nos apercebemos do que fizemos até que a outra pessoa nos chame a atenção. Acontece-te a ti, acontece-me a mim, e provavelmente acontece a quase toda a gente.

      A questão aqui não é essa. É, sim, quando depois de nos chamarem a atenção do que fizemos, estarmo-nos nas tintas para entender isso, não acharmos que fizemos nada de mal, e dizermos a palavra “desculpa” só para a outra pessoa parar de nos chatear / deixar de estar irritada. “Não sei porque é que estás tão chateado, mas se tenho de pedir desculpa para te calares, então pronto, tá bem, desculpa, whatever”.