Coisas que acho estranhas, parte 1

(Nota: isto é o primeiro post de uma nova série, não sobre coisas que me irritam por alguma razão, ou de que gosto, ou semelhantes, mas apenas coisas que, de uma forma possivelmente meio vagamente quase talvez cómica, acho estranhas, muitas vezes por serem auto-contraditórias.)

Pessoas que ligam um messenger para dizerem a quem quer que meta conversa que estão completamente ocupadas e não podem responder.

Bónus para as que põem mensagens de status do tipo “estou ocupadíssimo/a, não falem comigo! 😡 ”. Desculpem, mas… então o que é que estão a fazer com aquilo ligado?!? 🙄

Isto é como telefonar para alguém para dizer que não se tem nada para dizer…

Ou inscrever-se num site de “dating” e depois pôr no perfil que não se quer conhecer ninguém…

Ou…

10 Comentários a “Coisas que acho estranhas, parte 1”

  1. Sarita diz:

    Gosto do nome da série 😉

    Eu me acuso. As vezes estou online e estou a fazer coisas naquele preciso momento ou a espera de um amigo, ou a falar com alguém com quem queria falar.

    Mas percebo-te perfeitamente, lol

  2. Bender diz:

    Realmente é um pouco estranho.

    Eu também me acuso, mas não dessa forma.

    Quando o faço, ponho apenas uma disciplina que esteja a estudar ou a fazer um trabalho para, mas isto para falar sobre isso com os meus colegas.

  3. Susana diz:

    O único motivo que me ocorre é que não estejas com paciência para falar com todas as pessoas que metem conversa contigo, e um bom “ocupado” ainda vai resultando, até porque bloquear todas as pessoas com quem não te apetece falar na altura ainda é capaz de dar trabalho.

    A alternativa é colocarem-se offline… e aí sim escolhe-se com quem se quer falar na altura.

  4. Sayadina diz:

    Pessoalmente tenho sempre ligado porque ainda assim pode ser uma forma de contacto para algo urgente. Além disso, quantas vezes não tem sido a minha salvação quando tenho dúvidas em relação a trabalhos ou textos que esteja a escrever. O ‘ocupado’ neste caso serve de alerta/redução de caudal das conversas. As pessoas só vêm falar contigo depois de ponderar a relevância do que têm para dizer ou perguntar, e não para ‘deitar conversa fora’, dizer olá, etc. Percebido? Boa.

  5. Maldição! Como se atrevem a ter razões válidas para explicar algo que acho estranho!?

    Vou ter de me esforçar mais para a parte 2… 🙂

  6. Susana diz:

    Somos sras donas gajas… conseguimos refutar qualquer bom (ou mau) argumento. Anos e anos de evolução…

  7. Sarita diz:

    Boa Susana. O Pedro ainda tem muito que comer se quer refutar argumentos de sras. donas gajas!

    • Eu prefiro não perguntar “comer o quê“. 🙂

      Anyway, aquele exemplo de quem se inscreve num site de dating e depois põe no perfil que não quer conhecer ninguém não é fictício, já vi vários. Melhor ainda foi uma vez em que vi um de uma rapariga com fotos todas provocantes (mesmo), e mesmo assim dizia que não queria conhecer pessoas. Há de tudo…

      … imagino que me vão elucidar com razões válidas para isso nos próximos minutos. 😛

      • Susana diz:

        Dupla personalidade.

        Uma quer conhecer tudo quanto mexe (a que se inscreve no site e publica fotos eventualmente provocantes).
        A outra limita-se a escrever que não quer conhecer ninguém.

        • Sarita diz:

          Ou se calhar nao quer conhecer ninguém mas alguém, ie, ser ela a escolher em vez de ser perseguida. Ou se calhar andava a sair com alguém que conheceu no site. Nao sei, mas de certeza que existem sempre razoes válidas para o comportamento alegadamente estranho de uma gaija! 😉