Arquivo da Categoria ‘Blogging’

Sim, ainda estou vivo (parte II: a vingança)

Segunda-feira, 24 de Junho, 2013

2 anos, 2 meses e 9 dias! Acho que nunca tinha ficado tanto tempo sem escrever aqui. 🙂

Não há de momento novidades “fantásticas”, mas a vida em geral até vai bem. Estou a trabalhar por turnos, o que é bastante mau (“vida social”? “dormir mais de 5 horas seguidas?” “andar sem sono”? O que é isso?), mas supostamente isso é para mudar, em breve (e, se não for, terei de fazer alguma coisa a respeito; nada que não se resolva).

Em termos de jogos, acho que actualmente jogo mais no iPad do que no resto dos sistemas todos juntos, com o PC num (distante) segundo lugar. Andei há pouco tempo (e voltarei a andar em breve, eu conheço-me) numa fase de aventuras de texto, em especial as da Infocom, empresa que me passou completamente ao lado enquanto existiu, em grande parte por uma razão: todos os jogos deles necessitavam de uma drive de disquetes, e, sem contar com o ZX Spectrum +3 (para o qual eles nunca lançaram nada, sendo americanos), só tive um computador com disquetes (um PC) nos anos 90, quando a empresa já tinha sido absorvida e destruída pela Activision (além de as aventuras de texto já não serem populares, como foram — e muito — na primeira metade dos anos 80). Mas não só são perfeitamente jogáveis nos dias de hoje, tanto em emuladores dos sistemas originais (Commodore 64, Atari 800XL, Apple II, Atari ST, Amiga, MS-DOS, etc.) como em interpretadores (que correm nativamente os “datafiles” originais), como ainda por cima foi lançada há tempos uma versão excelente para iOS, The Lost Treasures of Infocom, que (no meu iPad com um teclado Bluetooth) é, para mim, a forma ideal de experimentar estes jogos nos dias de hoje.

De resto… tenho andado a melhorar dois mini-sites, o Fantasy Name Generator, e a sua versão portuguesa, o Gerador de Nomes de Fantasia. São basicamente a mesma coisa, e partilham a maior parte do código, mas cada um faz coisas que o outro não faz, por não fazerem sentido na língua do outro. Por exemplo, ambos geram nomes modernos na língua em questão, e os nomes de super-heróis / super-vilões que cada um gera são na língua correcta (aqui, a versão em inglês funciona bem melhor, em grande parte por a língua portuguesa ter “sexo” para a maioria dos substantivos: por exemplo, “hand” e “feet” não têm sexo, mas “mão” é feminino e “pé” é masculino; para evitar construções incorrectas, a versão portuguesa é mais limitada). Há também um blog com as novidades desses sites.

EDIT: e agora há também uma versão em espanhol (ou castelhano, se preferirem): Generador de Nombres de Fantasía. Ainda vou ter de pedir alguém que realmente domine a língua para ver quantos disparates de tradução foram feitos 🙂 , e falta a parte dos nomes modernos espanhóis, mas, mesmo assim, é o primeiro site nessa língua que alguma vez lanço. 🙂

Fora do PlanetGeek, e novo blog: Winterdrake

Quarta-feira, 9 de Março, 2011

Tenho a anunciar que:

1- este blog saiu, a pedido meu, do PlanetGeek, já que, se por um lado era originalmente “pessoal” demais para fazer sentido estar lá, por outro lado, depos de o estar, ele realmente deixou de ser “pessoal”, já que não me sentia propriamente à vontade para a) partilhar certas coisas com milhares de estranhos, e b) também achava que esses milhares de estranhos não estariam propriamente interessados;

2- tenho um novo blog, sobre temas “geeky”, incluindo videojogos, ficção científica, fantasia, informática e outros, chamado Winterdrake. Que por acaso, pelo maior dos acasos, está agregado no PlanetGeek. 🙂

Espero voltar a escrever posts mais pessoais aqui, nos próximos tempos, se bem que a minha atenção está neste momento mais focada no novo blog, como é natural.

Teste de vídeo de YouTube – Viper’s Video Quicktags

Quinta-feira, 11 de Março, 2010

Vamos ver se isto funciona. O plugin é este (obrigado, João). A ideia é o vídeo não só aparecer, mas o HTML desta coisa ser válido.

O vídeo, já agora, inclui Douglas Adams a ler uma parte do seu livro “The Restaurant at the End of the Universe”, num programa apresentado por um Richard Dawkins incrivelmente jovem. Tinha-o nos favoritos, e é um exemplo tão bom como outro qualquer. 🙂

EDIT: funciona! 🙂

Vídeos do YouTube no WordPress sem erros de (X)HTML

Quinta-feira, 11 de Março, 2010

Acho piada a criar sites com HTML / XHTML válidos, e uma coisa que acho irritante é que, sempre que se insere um vídeo do YouTube num post, lá se vai a validação; obviamente isso não é uma prioridade para o YouTube / Google.

No WordPress 2.9.x é possível inserir um vídeo simplesmente copiando o URL do mesmo para o conteúdo do post, mas o código usado é o mesmo que o YouTube fornece, que continua a não validar.

Já tinha procurado uma solução para isto há uns meses, mas não parecia haver nada fácil e óbvio; hoje, no entanto, descobri o YouTube Producer, que converte o código fornecido pelo YT para (X)HTML válido. Até agora está a funcionar (e já converti alguns vídeos neste blog e noutro para este formato), se bem que não tenho neste momento browsers primitivos à mão, como um MSIE (já que uso Linux no trabalho), e é possível que este código seja mais exigente em termos de standards. Vou experimentar logo à noite, em casa, no meu PC de jogos.

Assumindo que não há problemas de compatibilidade, pergunto-me: 1) porque é que o YouTube não dá já código assim, e 2) porque é que o WordPress não faz já esta conversão.

Se alguém quiser servir de cobaia e for suficientemente masoquista para usar IE 😛 , pode ver se neste post o vídeo aparece correctamente.

Nova fase de blogging

Terça-feira, 23 de Fevereiro, 2010

Acabei hoje, depois de uma semana e um dia, o projecto que queria completar naquele blog. Sim, sabem qual é; não vou mencioná-lo ou linká-lo aqui para não ser publicidade descarada outra vez (mas já viram os novos links na sidebar, debaixo de “posts recentes”? hint, hint… 😉 ). 🙂 Penso “descansar” daquele assunto nos próximos dias (se bem que continuarei a monitorizar os acessos e a ver se há comentários não muito insultuosos para responder), virando-me mais para outro nos próximos tempos. Num blog que já tenho há quase um ano, mas que está ao abandono há meses. E está, porquê? Porque, de certa forma, é de todos eles o que dá mais trabalho… e eu sou um preguiçoso nojento.

Há que começar a mudar isso, não é? 🙂

Tive uma ideia interessante não só em termos dos objectivos do blog, mas também em termos de o tornar mais interessante e “vivo” nos próximos tempos. Vou descrevê-la amanhã (quarta), lá. Mais uma vez, não linko aqui para o dito (hoje dei para refrear a pub descarada), mas quem me conhece chega lá facilmente. (Se ainda é terça (dia 23), não vale a pena ir já lá, não há nada de novo ainda.)

P.S. – descobri agora que a página de actualizações do WordPress (Upgrade/ Actualizar, dentro de Tools / Ferramentas, dependendo da língua), no painel de controlo, permite actualizar todos os plugins de uma vez. Muito útil quando estamos meses sem mexer num blog e há uns 15 plugins com novas versões. Reparei nisso só hoje, ao actualizar um dos blogs do 2.9.1 para o 2.9.2; curiosamente, que eu veja, essa opção não está disponível na página de plugins, que seria o sítio óbvio… andava eu a actualizá-los um a um. Grr.

Ateísmo-PT – novo blog de ateísmo

Quinta-feira, 11 de Fevereiro, 2010

Conforme mencionado no post anterior, aqui está ele: Ateísmo-PT.

Exportei os posts relacionados com o assunto para lá, sem os comentários (já que quem comentou aqui não autorizou explicitamente que os comentários fossem duplicados noutro blog); os posts continuam também aqui, mas serão em breve fechados a novos comentários. O novo blog ainda está com o theme default, mas eu amanhã trato disso.

Estão, portanto, a partir de agora livres (yay!) de posts sobre ateísmo ou religião aqui no Ostras, e por conseguinte no PlanetGeek (posts sobre discussões, lógica, racionalidade e afins poderão ainda aparecer por aqui, ocasionalmente).

Ideia: blog de ateísmo em português

Quinta-feira, 11 de Fevereiro, 2010

Já escrevi aqui alguma coisa sobre ateísmo e religião, provocando as respostas do costume (“se não és um teólogo não podes falar do assunto”, “não percebes nada disto”, Pascal’s Wager, etc., bem como, talvez mais ainda, “se falas tanto nisto é porque no fundo acreditas” ou “és tão fanático como eles”, que, na melhor das hipóteses, são um “isto não me interessa, logo não é legítimo falares do assunto”… e se isso é a melhor das hipóteses, imaginem as piores). Mas ando com alguma vontade de escrever mais sobre o assunto, o que realmente se poderia tornar chato para quem 1) queira ler o meu blog pessoal mas não tenha interesse no assunto, e 2) leia o blog pelo PlanetGeek; acho que um blog maioritariamente sobre ateísmo (ou sobre religião, ou sobre política, ou…) não faz realmente muito sentido estar agregado lá (se bem que longe de mim reclamar se aparecer lá algum assim).

Assim sendo, ando há tempos a pensar em criar um novo blog, começando por copiar para lá os posts que fiz aqui sobre o tema. Ainda não decidi completamente se o vou fazer, mas a coisa está encaminhada nesse sentido, já que, caso não o faça, vou sempre estar a “auto-censurar-me” ao escrever aqui (ex. “não escrever vários posts seguidos sobre isto”, “ando a escrever demais sobre o assunto”, “não quero que o blog seja isso”, etc.)

A desvantagem óbvia é que antecipo muito menos leitores, já que aqui sempre “atinjo” amigos e o PlanetGeek, enquanto o novo blog vai ser, imagino eu, maioritariamente ignorado pelos primeiros (não tenho amigos que se interessem pelo assunto) e não vai estar agregado no segundo. Mas mesmo assim parece-me ser a coisa certa a fazer; pelo menos escreverei o que quiser sobre o tema, sem “papas na língua”, e na quantidade que quiser.

Não há muita coisa em Portugal sobre este tema. Googlando, descobri uma Associação Ateísta Portuguesa e um Portal Ateu; penso incluí-los (sobretudo o segundo, que parece ter actualizações regulares) na minha leitura diária, mas acho que o foco do que planeio fazer — é só olharem para os posts anteriores — é um bocado diferente, e não vai propriamente haver “competição” entre ambos.

Vai ter leitores? Não sei. Imagino que até apareçam mais brasileiros do que portugueses; nós cá somos muito apáticos em relação a estes temas, sendo essencialmente um país de “Católicos não praticantes”: acreditamos que deve haver algo “superior”, dizemos “meu deus!” como interjeição, e vamos à missa pelo menos em baptizados, casamentos e funerais; ou seja, não somos ateus, de forma alguma, mas também não temos as nossas vidas em geral afectadas pela religião (afinal, os milhões de africanos a morrer por causa da Sida que prolifera graças às monstruosas mentiras do Vaticano “estão lá muito longe”)… excepto, claro, em questões como o aborto e o casamento de homossexuais, em que aí se vê a força da religião, mesmo na sua versão “não-praticante”, e a sua capacidade de impedir a igualdade de direitos, travar o progresso da humanidade, e aumentar o sofrimento.

Bem, quando (e se, se bem que é o mais provável) lançar o site, menciono-o aqui, e não me voltam a ouvir falar disto se se limitarem a ler este blog. 🙂

Quem diria…

Quinta-feira, 26 de Novembro, 2009

Não sei se isto é por ter pouquíssimo trabalho da minha área (administração de sistemas, Linux, etc.) no meu emprego, mas de há uns tempos para cá ando a achar ainda mais piada a coisas técnicas do que habitualmente. Além das mini-ferramentas, ando a redescobrir que realmente gosto de escrever artigos técnicos. Quem diria?

Bem, eu tenho fases. Se calhar daqui a uns tempos desenterro o Way of the Mind para escrever a sério sobre ateísmo e religião (se acham que já o faço muito aqui, think again…)

E talvez um dia destes volte a escrever sobre jogos… se bem que neste momento é complicado, porque isso implica ir arranjando novos jogos (mesmo que sejam “novos” apenas para mim), e eu realmente não gosto de “sacanços”… nem há dinheiro para gastar nisso, agora.

O regresso da vingança

Quarta-feira, 25 de Novembro, 2009

Hoje acordei com vontade de escrever uns artigos técnicos (sobre servidores de mail, filtragem de spam e afins). Mas pareceu-me que talvez sejam um nadinha técnicos demais para este blog, além de achar que fazia mais sentido escrevê-los em inglês, e por isso desenterrei o meu blog de tecnologia, no qual não escrevia há ano e meio.

Tinha dezenas de spam por apagar, lá (também tomei providências para que isso não aconteça mais), além de estar desactualizado em termos de software, e aproveitei para renovar o theme.

Dúvida existencial nº 3

Sexta-feira, 7 de Agosto, 2009

Quando é que o WordPress, versão portuguesa, vai deixar de dizer “automáticamente” e passar a dizer “automaticamente”?

P.S. – sim, eu sei, devia era reportar o erro em vez de simplesmente me queixar num blog que virtualmente ninguém lê. Vou ver se o faço mais dia menos dia. Mas acho incrível que ninguém o tenha feito até agora…

Twingly e WordPress

Terça-feira, 24 de Março, 2009

Provavelmente isto não é novidade para muita gente no Planet Geek, mas há tempos reparei que o Público Online usa o Twingly como sistema de trackbacks, sistema esse que, por tudo o que eu vi, o WordPress (que só “pinga” o Ping-o-Matic de origem) não está normalmente configurado para usar.

Bem, acrescentá-lo à lista de sites “pingados” no WordPress não custa nada: é só ir a Settings, Writing, e, na secção “Update Services”, acrescentar, numa nova linha:

http://rpc.twingly.com/

E é tudo. Cada novo post “pingará” o Twingly, e, se o post linkar para um artigo do Público (e não só), aparecerá lá o trackback.

Blogging, Twitter Tools e títulos com acentos

Segunda-feira, 23 de Março, 2009

Para que não digam que ultimamente só falo de religião 🙂 , um post um pouco mais geeky, para variar.

Recentemente, experimentei um plugin de WordPress, o Twitter Tools, que permite ligar um blog e o Twitter nos dois sentidos: anunciar novos posts automaticamente no Twitter, e mostrar os últimos tweets no blog (por exemplo, na sidebar). Neste caso, só me interessa a primeira funcionalidade, que já estou a usar para este blog (não uso para os outros dois que actualmente mantenho vivos, o Developing Myself e o Way of the Mind, para não fazer os meus followers fartar-se completamente de mim), e se me seguem no Twitter já devem ter reparado nisso.

Esse plugin, no entanto, tem um problema que não afecta de certeza o autor, mas que é incómodo para nós portugueses que temos esta língua cheia de acentos: estes aparecem como “html entities” (ex. á em vez de á), o que fica deveras feio no Twitter. Felizmente, foi só alterar uma linha de código no plugin (tenho de ver se mando isto ao autor), que parece funcionar sem qualquer problema, até agora (e até aparece bem no Facebook, também).

Para resolver isto, alterar a linha 467 (na versão 1.6 do plugin, actualmente a última) do ficheiro twitter-tools.php de:

$tweet->tw_text = sprintf(__($this->tweet_format, 'twitter-tools'), $post->post_title, $url);

para:

$tweet->tw_text = sprintf(__($this->tweet_format, 'twitter-tools'), html_entity_decode($post->post_title, ENT_COMPAT, 'UTF-8'), $url);

NOTA: é só uma linha; cuidado, já que o vosso browser pode fazer word wrap.

O desafio do pequeno-almoço

Quinta-feira, 19 de Março, 2009

Alguém o aceita? 🙂

O meu novo projecto: Developing Myself

Quarta-feira, 18 de Março, 2009

Já o tinha mencionado antes, e aqui está ele, finalmente pronto (mais ou menos) para consumo: Developing Myself, o meu novo blog sobre desenvolvimento pessoal pessoal. Não, não me enganei escrevendo a mesma palavra duas vezes. 🙂

Para verem rapidamente do que se trata, é melhor começarem por esta página: About “Developing Myself”. Lá explico sobre o que é o blog, e quais as minhas sinistras intenções com ele (basicamente, auto-melhorar-me (em parte “envergonhando-me” para não desistir a meio), e partilhar a experiência com o resto do mundo, na suposição de que ela pode ser útil e, quem sabe, interessante para alguém). Ler a FAQ também pode ser útil, já que aposto que várias perguntas lá mencionadas (e respondidas) vos vão passar pela cabeça. E, naturalmente, imagino que aquilo fará mais sentido lendo por ordem a partir do início, que já não está na front page (daí ter demorado tanto a divulgá-lo, já que havia uns 12 posts – o “my baseline” – que precisavam de estar escritos antes de lhe “abrir as portas ao mundo”).

Não estou a ver o novo blog a interessar a uma boa parte dos leitores deste blog (em especial os que o lêem pelo Planet Geek), mas talvez alguém ache piada. Talvez alguém até se inspire com ele para fazer algo semelhante. Estejam à vontade para comentar lá, mas em inglês, please.

P.S. – já havia links para o blog em 3 sítios diferentes há vários dias, e ninguém os descobriu. 😛 😉