Arquivo da Categoria ‘Diversos’

DS Power! :)

Terça-feira, 17 de Outubro, 2006

Este fantástico post foi escrito no Opera… na minha Nintendo DS.
Funciona e tudo! 🙂

Algo que não se vê todos os dias…

Domingo, 15 de Outubro, 2006

Thunderstorm

Milésimo post

Segunda-feira, 28 de Agosto, 2006

Pois é. Este é o meu 1000º post, somando todos os meus blogs.

E, tal como aqueles episódios de séries de TV, em que, para poupar dinheiro, eles mostram os personagens a lembrar-se de cenas do passado, o que permite que 90% do episódio já esteja filmado… 🙂 acho que é altura de olhar um pouco para o que ficou para trás. (Infelizmente, ao contrário dessas séries, não me posso limitar a fazer copy & paste de posts anteriores para poupar trabalho… sniff…)

Não vou aqui falar dos meus blogs ou coisa parecida; quem lê este, já ouviu, de certeza, falar dos outros, e, de qualquer forma, eles são fáceis de descobrir. Quero, no entanto, contar uma curta história – curta até agora, porque, de certa forma, ainda só está a começar.

Basicamente, eu trabalhei, para outros (com alguns intervalos pelo meio), nos últimos 15 anos, e, depois de N empregos, cada vez mais fui vendo que não era bem isso que eu queria. Até que, há pouco mais de um ano, decidi que ia tentar ganhar a vida de outra forma: como um “entrepeneur”. É uma palavra meio curiosa, porque as traduções mais usuais, “empresário” ou “empreendedor”, não sugerem bem o que a referida quer dizer.

Como acho que até escrevo um pouco melhor do que a média (e tenho potencial para muito mais do que actualmente vêem), e como sou meio anti-social – além de querer lidar o mínimo possível com idiotas -, decidi pôr de parte algumas das possibilidades, como montar uma empresa, e ter clientes. Clientes são um problema: por causa de um ditado estúpido, têm a mania de que “têm sempre razão”, apesar de não perceberem nada do assunto, e de muitas vezes não fazerem sequer a mínima ideia do que querem. E, de certa forma, não há assim tanta diferença entre um “cliente” e um “patrão”. Ambos detêm poder sobre nós, poder quase sempre usado para pôr prepotência, ignorância e “birras” acima de verdadeiros conhecimentos e de razões concretas para fazer as coisas de determinada forma. Não, obrigado.

Assim sendo, a minha ideia for escrever, em vários blogs e mini-sites (mas sem me limitar a isso – nada me impede, por exemplo, de criar o maior site de receitas em Portugal amanhã, por exemplo :)), criando material de qualidade, interessante e, nos casos em que seja apropriado, útil. Por exemplo, guias técnicos, conselhos e afins, além de posts que, simplesmente, façam as pessoas pensar sobre determinado assunto.

Mas como é que isso dá dinheiro? Com publicidade, como, por exemplo, jornais, rádio ou televisão. Ninguém liga a televisão para ver anúncios (excepto alguém muito doente), mas são estes que dão dinheiro… só que, para que estes sejam vistos, é necessário que sejam mostrados juntamente com programas que interessem ao público.

Infelizmente, a certa altura do campeonato, o meu chefe terá, conscientemente ou não, percebido que estava a planear conseguir ganhar a vida de outra maneira, escrevendo nos tempos livres, de forma a, de seguida, sair da empresa, pelo que fez tudo para me prejudicar a vida, lá, ao máximo – desde ser ultra-controlador e “micro-manager”, até me impedir de fazer qualquer coisa vagamente interessante, e ocupar-me o tempo com coisas repetitivas e inúteis. Andei, durante meses, tão afectado com isso que, mesmo em casa, à noite, não conseguia escrever ou criar nada de jeito… e, por isso, os vários blogs estiveram sem posts novos durante meses.

Até que tive de tomar uma atitude, que foi arranjar dinheiro, emprestado, de forma a poder demitir-me e viver em casa uns meses até os sites começarem a dar lucros reais. E foi o que fiz, apesar de quase toda a gente me dizer que tinha enloquecido de vez. 🙂

Agora, talvez pela primeira vez na vida, estou em casa, estou livre, e o que conseguir – ou não – depende só e exclusivamente do meu trabalho, inspiração e ambição. Depende de mim. Não vou poder estar, como parece ser o sonho de quase todos os portugueses, “com os pés em cima da mesa”, por saber que no fim do mês recebo “aquilo”, fixo. Mas, ao mesmo tempo, também trabalharei para mim, sabendo que posso ultrapassar o “aquilo fixo” – e penso fazê-lo, em muito, e em breve.

Muita gente – incluindo ex-colegas, amigos, família, e até por vezes a namorada – duvidam disto. Acham – em parte, com razão – que, se isto fosse fácil, toda a gente o faria. É verdade que muita gente tenta e falha. Mas também é verdade, acho eu, que muita gente que até teria potencial para o fazer, não o tenta, precisamente por causa desses medos – e, também, porque é algo novo, é território quase inexplorado.

E… porque é que eu acho que consigo? Porque acho que tenho algo em comum com o grande Rob Hubbard. 🙂

Não, não estou a falar do L. Ron Hubbard, o lunático que fundou a Cientologia. O Rob Hubbard é um músico britânico que ganhou fama, nos anos 80, como o melhor músico do Commodore 64, um computador de 8 bits (contemporâneo do ZX Spectrum) cujas músicas de jogos ainda são “covered”, hoje em dia, por músicos e bandas “a sério”. Ainda hoje, ele é o músico dessa época mais conhecido.

E porquê? Porque, na época, havia muitos bons músicos, e muitos bons programadores. Mas ele tinha uma vantagem sobre uns e outros: era ambas as coisas. Não só era um excelente compositor, como levou o chip de som do C64 a fazer coisas que os próprios designers do chip não julgavam possíveis. Por outras palavras: uns tinham a criatividade, e outros tinham os meios; ele, por outro lado, teve ambos.

Foi essa combinação de duas qualidades que o levou mais longe do que os outros.

Um outro exemplo é o Steve Pavlina, que já mencionei aqui antes. O que ele faz, actualmente, é escrever sobre desenvolvimento pessoal, um campo onde tem imensa concorrência, incluindo autores mais famosos do que ele “cá fora” (livros, cursos, etc.). No entanto, ele tem uma tremenda vantagem sobre eles: é um informático (chegou a ser programador de jogos). Isso permite-lhe ganhar aos outros autores em coisas como optimização do site para motores de busca, novas features no site, e afins. Enquanto os outros não ganham nada com os seus sites (que tiveram de pagar a empresas para desenvolver), ele ganha – aliás, é a fonte principal de rendimento dele.

O meu caso é semelhante. Muitos informáticos não sabem escrever decentemente, e muitos escritores não sabem mudar uma lâmpada. 🙂

As minhas desculpas se tudo isto dá a ideia de que me estou a vangloriar. De certa forma, estou, em parte, a escrevê-lo para mim próprio, para aumentar a auto-confiança. Afinal, ao contrário do que podem pensar, não me acho um super-homem, e tenho dúvidas como toda a gente. 🙂

E pronto. Agora estou livre – livre como nunca estive – e acho que ainda nem “interiorizei” esse facto, apesar de hoje ter sido o primeiro dia em que não fui trabalhar, como faria se ainda estivesse empregado. Tudo isto parece, de certa forma, um sonho, ou “bom demais para ser verdade”… mas não é. Estou livre. Independente. Sem poder culpar ninguém, caso isto corra mal. Estou como sempre quis.

A partir de agora, é comigo. And the sky’s the limit.

A "morte" do cepticismo?!?

Quarta-feira, 16 de Agosto, 2006

Ainda há pouco tinha falado da tendência de “misticismo new age” do Steve Pavlina, e cá está um post, The Death of Skepticism.

O tipo é, sem dúvida, muito inteligente, e escreve extremamente bem. Mas… há algo de seriamente errado num post como este. Amanhã ou depois talvez comente isto em mais detalhe no WotM, mas quero deixar o post dos mitos sobre o ateísmo como “último post” durante pelo menos um dia, por isso… vai aqui. As I said, isto é só “por alto”, e não vou abordar todo o post dele, só algumas partes que deviam “tocar os sinos de alerta” em qualquer ser humano racional.

Apparently it’s cool to be a doubter these days.

Excuse me? Em que planeta é que ele vive? Naquele planeta fictício em que vivem os cristãos que se dizem “perseguidos”, apesar de serem uma maioria esmagadora da população, incluindo a maior parte dos governantes, só porque o foram durante algumas décadas no tempo dos Romanos?

Steve, meu rapaz, NÃO É COOL DUVIDAR NOS DIAS DE HOJE! Muito pelo contrário, se duvidas, se és um céptico, chamam-te um “materialista”, um “tipo frio e cinzento”, e coisas piores. E isso é aqui; nos EUA, onde tu vives, as coisas são bem piores: chamam-te “comunista”, “traidor”, “terrorista”, “anti-americano”, e outras baboseiras. Menos de 10% da população dos States é minimamente céptica, e há uma grande discriminação contra ateus, ou seres puramente racionais em geral.

I realized that if the universe were actually subjective, I’d never recognize it as such if I believed it was objective, since I’d simply manifest an objective universe.

Vários problemas com isso:

1- nunca sonhaste? Em criança, nunca acreditaste que havia, realmente, monstros debaixo da cama, ou coisas do género? E os monstros apareceram, passaram a existir? I don’t think so.

2- és o único ser vivo no mundo? Por essa “lógica”, se os pensamentos criam a realidade, mas não o fazias por acreditares que esta é objectiva, então outros deviam estar a fazê-lo, na mesma. Aconteceu alguma coisa? Tinhas um vizinho com “poderes estranhos”? Não me parece.

Unfortunately, testing for subjectivity is an oxymoron. You can’t actually test for a subjective universe. The whole idea of testing implies doubt, and doubt will corrupt the test if the universe really is subjective.

Puro disparate. Esta mentalidade implica uma redução intelectual de tal ordem, que se passa a ver “relações” onde elas não existem. A mente humana é, realmente, muito influenciável, e, se efectivamente nos convencermos de alguma coisa, é provável que “vejamos” essa coisa mesmo que ela não esteja, de facto, a acontecer.

Se te convenceres de que tens poderes mentais, que sentes “flashes” precognitivos, então senti-los-ás, mas só te lembrarás daqueles que coincidiram. Os outros serão esquecidos; afinal, estás a “mentalizar-te” para acreditar.

Ou vejamos as coisas de outra forma: se, para os teus “poderes” funcionarem, é necessário não teres qualquer espécie de dúvida, então porque não pedir a outra pessoa para os testar? Podes ter a “certeza” absoluta, e deixar o cepticismo para a outra pessoa. Ou os teus poderes são assim tão débeis que mesmo o cepticismo da pessoa ao pé de ti os afecta? Só funcionam se estiveres rodeado de crentes cegos, totalmente desprovidos de espírito crítico? A proximidade de um ser racional é como kryptonite para ti? 🙂

A sério, até me faz bem ver posts destes, como lição de que até tipos geniais podem ser totalmente irracionais, ocasionamente, e deixar-se levar pelo “wishful thinking”.

And, Steve, if you’re reading this, I’ll write about this in English in a day or two. 🙂

16 Mitos Sobre Ateus

Terça-feira, 15 de Agosto, 2006

Ocasionalmente – não sempre, mas ocasionalmente – escrevo coisas das quais, ao reler, me orgulho mesmo. 🙂

Aqui está uma dessas coisas: 16 Common Myths About Atheists.

Espero que gostem. Acho que não está muito ofensivo para crentes religiosos, mas nunca se sabe, afinal estes constituem as pessoas mais susceptíveis do planeta… 🙂

Televisão? O que é isso?

Sexta-feira, 11 de Agosto, 2006

O Steve Pavlina volta a atacar: 8 Changes I Experienced After Giving Up TV.

Um excelente post, como todos aqueles que ele escreve que não envolvem misticismo “new age”. 🙂 Não posso, no entanto, dizer que me identifico muito, porque, desta vez, estou anos à frente dele. Anos e anos. 🙂

“Televisão”? Ah, aquela coisa para ver DVDs e jogar jogos de consola? Sim, tenho. 😀

As coisas que um gajo descobre…

Terça-feira, 8 de Agosto, 2006

Vão a esta página no MySpace.

Façam scroll para baixo, tendo atenção aos comentários à direita. Achem as latas de SPAM.

Conhecem a foto? Pois é, fui eu que a tirei no Continente do Colombo. 🙂

Mais calor!!!

Domingo, 6 de Agosto, 2006
35 graus

O que faz o governo???

Algumas frases que eu detesto (parte 1)

Quarta-feira, 2 de Agosto, 2006
  • “O teu problema é pensares demais nas coisas.” Não. O “problema” é pensares, ponto… num mundo em que o “normal”, feito por quase toda a gente, é não pensar absolutamente nada, e viver num estado de permanente apatia, em que não se sente nada de mau… ou de bom. Viver implica pensar, e pensar implica sentir. Mas as pessoas são tão cobardes que o normal hoje em dia é não pensar, não sentir, e não viver.
  • “As pessoas hoje em dia são muito individualistas.” Quem diz isto está a precisar que lhe batam na cabeça com um dicionário – de preferência grande, pesado e com uma capa bem dura. Porque só demonstra que não sabe o que quer dizer “individualista”, já que, se soubesse, não veria isso como um defeito (uma pista: a humanidade não é suposto viver como uma colónia de formigas), e, mais importante, nunca diria que hoje as pessoas, em geral, o são. Olhando à volta, vejo muito pouco individualismo… o que vejo, e muito, é estupidez, mesquinhice, e pequenez. O individualismo é heróico, não é medíocre… olha à tua volta, e diz-me qual destas qualidades (heroísmo ou mediocridade) vês mais.
  • “Os <inserir grupo musical>? Ah, só gosto da <inserir música>.”. Só? A sério? Conheces todas as outras? Conheces alguma outra? Ah, nunca as ouviste, não é? Então não digas mais disparates.
  • “Eu quero lá saber!” Ainda bem que não somos todos como quem diz isto, ou ainda viveríamos em cavernas. São a razão, a curiosidade, e a vontade de aprender que nos tornam humanos – negá-las é tão estúpido e auto-destrutivo como um pássaro recusar-se a usar as suas asas.

Calor!!!

Segunda-feira, 17 de Julho, 2006

Aposto que a culpa é do governo, ou coisa parecida.

Decisões, decisões…

Terça-feira, 27 de Junho, 2006

Hoje, finalmente, tomei uma decisão que vai afectar, em grande parte, a minha vida.

Não a vou revelar aqui, por enquanto. E só se vai ver alguma mudança daqui a uns tempos. Mas a decisão está tomada, e não voltarei atrás.

Aliás, sinto alguma vergonha pela cobardia (sim, as coisas devem ser chamadas pelos nomes, mesmo estando a falar de mim mesmo) que me levou a demorar tanto tempo. Mas mais vale tarde que nunca, não é?

Entretanto, a vida continua. Ainda estou “desencartado”, mas, espero eu, está quase – é amanhã à noite que volto a poder conduzir legalmente. 🙂

Regresso?

Terça-feira, 13 de Junho, 2006

Sim, eu sei que não tenho andado muito por aqui, nem pelos outros blogs. Falta de tempo, de energia, de disponibilidade… além de que, quando se interrompe uma coisa, a cada dia que passa torna-se mais difícil regressar (“o que é que eu vou escrever para explicar a ausência de quase 2 meses?”).

Mas… paciência. Não é que este seja um post brilhante :), mas os próximos vão ser. E pelo menos já ultrapassei a barreira inicial.

O que é que andei a fazer durante este tempo todo? Nada do outro mundo. Fiquei sem carta de condução, e só a recupero para a semana; tenho ido para o trabalho graças à boleia de uma simpática colega que, por acaso, é minha vizinha. Fui passear durante uns dias, para o norte do país, tendo visitado sítios como Unhais da Serra, Guarda, Foz Côa, Bragança e Alcanena. Adorei as férias, foram uma maravilha… e não, não fui sozinho. 😉

O trabalho continua, basicamente, o mesmo, se bem que até me têm chateado menos do que habitualmente. Houve uma semana em que até tive de fazer alguma programação, o que é, sem dúvida, infinitamente mais interessante do que as habituais tarefas tipo “Marvin, can you pick up that piece of paper?” (fica sempre bem citar o Douglas Adams). Here I am, brain the size of a planet… 🙂

Anyway. Não tenho jogado imenso. Mount&Blade, e desde hoje Hearts of Iron 2: Doomsday em PC, e alguns jogos na DS e GBA (Tetris, Resident Evil, Harvest Moon: Friends of Mineral Town, etc.).

Andei às voltas com uns estranhos crashes deste servidor, mas acredito que já estão resolvidos. Vamos ver se é desta.

E por agora é tudo. Vou ver se amanhã arranjo tempo para escrever nos outros. 🙂

20060426

Quarta-feira, 26 de Abril, 2006

Mais um dia de trabalho, depois de um feriado em que não deu para fazer grande coisa. Sinto falta das férias – nem tanto pela parte de “não vir trabalhar”, mas mais por terem sido duas semanas em que produzi bastante, e me senti, em geral, bem, em todos os sentidos. Agora que voltei ao trabalho, já me sinto outra vez mais “zombificado”, como se estivesse a seguir um “role” já escrito para mim, ou a viver em semi-piloto automático.

O que, obviamente, tem de parar.

Ideias para mini-sites, também não as tem havido. Hoje melhorei um pouco o aspecto da página inicial do Dehumanizer.com – não foi nada de especial, simplesmente pu-la mais parecida com a dos mini-sites.

Acabei o Advance Wars, e já vou a meio do Advance Wars 2. Ter jogos de estratégia bons numa consola portátil é algo óptimo – algo que devia ter existido há 10 ou 20 anos. Mas mais vale tarde do que nunca…

Ontem recomecei a ver a série de TV “Shogun”, que já tinha comprado em DVD, mas tinha deixado a meio por alguma razão estranha, há uns anos. Estou a adorar, obviamente – muito fiel ao livro, e aprende-se imenso sobre o Japão da Idade Média. E tem o Toshiro Mifune, um grande actor.

Bem, aproxima-se mais um fim de semana prolongado. Tenho de ver se tenho ideias para mini-sites até lá.

Tabaco em lugares públicos

Domingo, 16 de Abril, 2006

Subscrevo a 100% este post.

O que mais irrita nos fumadores não é o facto de estarem a fazer uma coisa idiota, que faz mal, que sabem que faz mal, e que continuam a fazer, porque em certa altura da vida (adolescência, provavelmente) “pertencer ao grupo” foi mais importante do que usar dois dedos de testa, e depois viciaram-se e não têm força de vontade (vulgo, “tomates”) para parar. Não. Não é isso. Isso é lá com eles.

O que irrita é acharem que têm o “direito divino” de o fazer quando quiserem, onde quiserem, e seja lá em que circunstâncias forem. E incomodando, e prejudicando a saúde, de quem quer que seja.

Fazendo uma comparação não tão exagerada e absurda como parece: e se me desse imenso prazer cuspir nas outras pessoas? Alguém me deixava? Duvido.

Mas e se não fosse só eu, se fossemos muitos? E se começassemos a falar dos nossos “direitos”, e de como quem quer impedir-nos de fazer o que queremos é um “fascista”, e de que há problemas muito maiores no mundo, logo não nos chateiem só porque, coitadinhos, não gostam de levar com algum cuspo na cara de vez em quando?

Imaginam a situação? Ridícula, não é? Mas é algo muito parecido com isso que se passa. E ninguém parece ter tomates para o dizer. A história do “direito divino” já existe há tantos anos que já ninguém questiona – incluindo os não fumadores, que às vezes até parecem ter vergonha disso.