Arquivo da Categoria ‘Sem categoria’

E como vão as coisas?

Quarta-feira, 17 de Agosto, 2005

Acho que vão bem. Acho. 🙂

O fim de semana nos arredores de Santo André foi bom, tanto a parte de estar com a família, como o facto de ter umas “mini-férias”, apanhar sol e ar menos poluído, conhecer sítios que não conhecia, e afins.

Deu para pôr a leitura em dia: acabei o Autumn, do David Moody (excelente), e comecei a primeira sequela, “Autumn: The City”. O 6630 portou-se bem – se bem que naquela zona não tenho “3G” (só GPRS normal), deu para fazer coisas como ver o mail, conversar no MSN Messenger e até actualizar este estupendo 🙂 blog (ver 2 entradas abaixo). E as fotos ficaram boas, vou ver se ponho algumas online mais logo.

A “saga” do novo servidor (zombie.dehumanizer.com :), o antigo era o kai.dehumanizer.com, mas isso é só para dentro, para fora nada muda), nestes últimos dias, deixou-me um bocado em baixo, sobretudo porque ontem passei aqui no trabalho um dos dias mais “secantes” de sempre – não ter acesso aos sites de casa é algo que realmente me faz muito bem. Hoje já vou ter mais trabalho aqui, por isso, depois desta entrada, não devo escrever muito mais, mas ontem isto fez-me mesmo falta…

Há dias disseram-me uma coisa pelo MSN que me deixou um nadinha deprimido. Não vou aqui dizer o que foi, ou quem foi – a intenção não foi má, eu é que associo logo as coisas à minha vida, e não gostei completamente do que vi. Mas o meu poder é supremo 😉 e eu consigo resolver isso, e assim farei.

Já agora: o Autumn, que já referi, é um livro gratuito, e pode ser puxado aqui. Está disponível em diversos formatos, incluindo vários para Palms, PocketPCs, telemóveis, e também em DOC ou TXT, para ler no computador ou imprimir. O livro é excelente, e vale mesmo a pena ler, mesmo sem se ser um grande fã do género – no fundo, no fundo, é sobre pessoas, e não zombies. Não custa nada: puxem, comecem a ler, e vejam se conseguem parar depois de meia dúzia de páginas.

Custou, mas foi…

Quarta-feira, 17 de Agosto, 2005

Pois é, todos os meus sites estiveram aproximadamente 2 dias em baixo.

Razões para isto? O grande upgrade de servidor. Inicialmente, tudo correu bem. Mas, depois, por ter mudado a placa de rede de ligação à net, fiquei sem ligação à Netcabo quase um dia inteiro, e a minha tentativa de fazer reset ao modem fê-lo ficar com um firmware bem mais antigo. Acabei por o ter de actualizar à mão (e sem net… that was fun. :)).

Como se isso não bastasse, a certa altura o Apache (servidor de web) começou a não querer arrancar, sem dar qualquer mensagem de erro que ajudasse a identificar a causa do problema. Depois de gastar muitas horas com isto, lá descobri que desactivando o módulo de PHP aquilo funcionava, e activando-o já não. Mas o PHP em si funcionava bem, separado do Apache. Recompilei o bicho N vezes, desactivando uma opção de cada vez até que aquilo desse, e descobri que era o MySQL. Eu estava a usar uma versão compilada à mão, para usar o 4.1 em vez do 4.0, que vem nos ports. Mas antes tinha funcionado bem… Weird. Bem, acabei por voltar ao MySQL dos ports do OpenBSD.
E agora está a dar. Entretanto, descubro que há uma versão nova do WordPress, e lá vou eu actualizar o bicho. Re-entretanto (ou “entreentretanto”?), por ter andado tanto às voltas com isto, deixei metade do sistema com um debugging exagerado activo, e vou ter de recompilar para voltar a deixar como estava.

E se isto não foi a entrada de blog mais técnica aqui, I’ll eat my hat. 🙂

Novo servidor…

Sexta-feira, 12 de Agosto, 2005

Já cá o tenho, já tem sistema operativo (OpenBSD 3.7) e já funciona. No entanto, ainda está na rede interna, já que há muito software por instalar, e muitas coisas por transferir (sites, bases de dados, configurações, etc.). Por isso, o servidor acessível ao mundo ainda é o antigo.

Talvez segunda à noite, ou terça, ponha o brinquedo novo efectivamente como servidor. 🙂

Como ser um especialista em filmes de zombies

Sexta-feira, 12 de Agosto, 2005
  1. Os zombies não são a verdadeira ameaça. Sim, eles querem devorar humanos, mas são lentos, estúpidos, incapazes de trabalhar em equipa, de utilizar armas, ou de fazer qualquer coisa que não seja cambalear em direcção ao humano mais próximo, braços estendidos, a gemer.
  2. A verdadeira ameaça são sempre os outros humanos. Em qualquer filme de zombies que se preze, haverá sempre:
    • um ou mais tipos para quem a coisa mais importante é fazer prevalecer a sua autoridade, e fazer com que seja o seu plano a ser seguido – ao ponto de ameaçar ou tentar matar quem não concorde;
    • um ou mais humanos que entram em pânico e que deitam a perder um plano que até iria funcionar, por fugirem ou “se passarem” na hora H em vez de fazerem a sua parte no plano;
    • um homem que, depois de alguns sucessos iniciais contra os zombies, ficará sobre-confiante ou mesmo “wild”, tipo ir para o meio dos zombies com uma caçadeira e gritar “come and get me!” ou coisa parecida, e que terá uma morte horrível, além de que provavelmente outros morrerão por causa disso;
    • um tipo, normalmente black, que será o mais racional de todos, e ou se safa ou é o último a morrer, normalmente por outra causa que não os zombies;
    • um ou mais personagens cujos entes queridos se transformam em zombies, e que continuam a vê-los como se ainda fossem os entes queridos, fazendo tudo para os proteger, incluindo, possivelmente, alimentá-los com carne humana e/ou atacar outros humanos que queiram eliminar os referidos zombies
  3. Com excepção de um ou dois dos personagens principais, a maioria das pessoas continua a ser irracional em relação aos zombies (mesmo que eles já existam há anos, mesmo que a maioria do mundo esteja dominado por zombies e a raça humana esteja quase extinta): continuam a vê-los como os seus entes queridos, ou pelo menos como se ainda fossem pessoas vivas, e a protegê-los (ver última parte do ponto anterior). Apesar de apelos das autoridades, são completamente incapazes de fazer coisas tão simples como:
    • destruir o cérebro do corpo de alguém que tenha acabado de morrer;
    • cremar imediatamente cadáveres, em vez de (tentar) fazer longas vigílias, funerais, etc.;
    • matar de forma rápida e “limpa” alguém que tenha sido infectado e que esteja a horas ou minutos de se transformar num morto-vivo e tentar devorar os ex-companheiros;
  4. Nunca, mas nunca se usa a palavra “zombie”. São “them”, são “those things”, são “the dead”, são “the living dead”, são “undead”, são “ghouls”, são “crazies”, são “infected”, são “bodies”, são “corpses”, mas nunca se chamam “zombies”. O “Shaun of the Dead” goza brilhantemente com isso: quando um dos personagens pergunta “any zombies out there?”, o outro fica chocado e ralha com ele para não lhes chamar “the Z word”. 🙂

20050812

Sexta-feira, 12 de Agosto, 2005

Amanhã, por esta hora, já estarei com a família, no Alentejo, possivelmente vagamente (adoro repetir palavras terminadas em “mente”) numa praia ou perto de uma. Estou a precisar de sair deste “mundo”, sem dúvida.

O “Autumn”, do David Moody, está excelente, até agora. O que farias (sim, tu!) se algo matasse mais de 95% da população do mundo em menos de um dia? Se de um momento para o outro toda a gente à tua volta se agarrasse ao pescoço, em pânico, e morresse asfixiada? E se ficasses vivo, por alguma razão desconhecida, no meio de cadáveres? Pois, eu também não sei o que faria.

Já devo ir a meio do “Dawn of the Dead”, do George A. Romero. Não ando a ver muito por dia; ontem tive um dos meus manos em casa a jogar WWE: Day of Reckoning na Gamecube. Ainda não joguei (apesar de tanto a consola como o jogo serem meus), mas eu próprio fiquei impressionado e com vontade de jogar, e nem sou fã de wrestling. O “Dawn of the Dead” está bem bom, até agora.

O servidor já está em casa do meu irmão. Finalmente. Vou buscá-lo hoje. Já sei que não vem com placa de rede… devia ter comprado uma ontem. O chato é que placas de rede “de jeito” não se encontram em lojas normais, em Portugal. Damn.

20050811

Quinta-feira, 11 de Agosto, 2005

Ainda é só quinta. E estou mesmo a precisar de descansar… não sei porquê, mas hoje estou um bocado irritável. Não consigo apontar nenhuma razão, por isso talvez seja por andar a dormir pouco, ou por passar tempo demais aqui no trabalho.

Mas, vá lá, os updates que estive a fazer hoje de manhã acabaram por correr bem. Durante uma meia hora, estive com medo de ter estragado algo importante… mas acabou por ficar tudo bem. Vamos ver se isto resolve aquele problema.

(mais…)

Porque é que isto é familiar?

Quarta-feira, 10 de Agosto, 2005

blogschool

Mães

Terça-feira, 9 de Agosto, 2005

Há pessoas que se dão bem com as suas mães.

Não é o caso aqui.

Já diziam os Iron Maiden: “Only the good die young / All the evil seem to live forever.”

Espero que me caia um relâmpago em cima se alguma vez gostar / proteger / ajudar / não fizer o que é certo a alguém – seja quem for – só por ter laços de sangue com essa pessoa. Acreditem em mim, isso destrói vidas. Pessoas boas são condenadas a vidas inteiras de sofrimento por causa desse erro – porque têm um monstro como filha. E depois de décadas de tortura, humilhação e sacrifício, nos seus últimos momentos ainda se preocupam com o que será desse monstro.

Não mais. Na minha família, isso acaba aqui.

Monstros são monstros, independentemente de serem nossas mães, filhos, ou completos estranhos.

Desculpem o desabafo.

20050809

Terça-feira, 9 de Agosto, 2005

Esta noite finalmente dormi as horas todas. Foi para compensar a anterior.

Discussão vagamente interessante (até agora) no Gildot. A eterna questão da competência versus os canudos, e como os engravatados (que são os vermes mais desprezíveis à face da terra) preferem sempre os segundos.

Consegui mais ou menos acabar aquela história do IPsec! Demorei um pouco mais do que pensava, mas hoje de manhã obtive o sucesso que queria. Até não é nada do outro mundo. Claro que, como fiz depressa, o chefe vai pensar que “era fácil”, mas isso é a triste sina dos técnicos competentes e que se recusam a “esticar” o trabalho…

Comecei ontem a ver o Night of the Living Dead, do George A. Romero, de 1968. Deixei-o a meio, devo acabá-lo hoje. Bem “creepy”, sobretudo se considerarmos a idade dele. E o facto de ser a preto e branco só o torna mais perturbante.

20050808

Segunda-feira, 8 de Agosto, 2005

Montes de trabalho hoje! E estou a fazer numa tarde algo que era suposto ter demorado mais de uma semana a fazer – e sobre um assunto sobre o qual não sabia nada até hoje de manhã. Se eu não fosse um génio 😉 , estava lixado. 🙂

Mas acho que consigo. E sim, sou tão insano que estou a escrever no meu blog apesar de o clock estar ticking.

Adicionei um novo blog à lista, à direita. Descubram qual. 🙂

Finalmente a loja onde estou a comprar o servidor deu sinal de vida! Quase que me tinha esquecido disto. Já fiz a transferência, vamos ver quando é que ele chega. Duvido que seja esta semana, mas pronto…

Ainda me doem as pernas. Ouch! Ontem ao fim do dia, então, sempre que estava sentado ou deitado e me levantava, quase não conseguia andar os primeiros passos, parecia estar bêbado, ou zombificado. Ou as duas coisas. 🙂

Pousada-hopping

Segunda-feira, 8 de Agosto, 2005

Vi hoje um artigo no IOL da África do Sul, sobre pousadas em Portugal. Very nice. Só elogios para o nosso país, e quem escreveu aquilo até conhece alguma coisa de cá.

Compreendo que os nossos preços, para países mais “civilizados”, sejam baratíssimos… e isso, juntamente com a nossa hospitalidade e gastronomia (das melhores do mundo, IMHO), torna Portugal um paraíso para muita gente – sobretudo quem não estiver interessado na monotonia de praias e Algarve, mas quiser conhecer realmente o país – sobretudo o norte.

E agora fiquei com vontade de passear mais… mas nos próximos tempos não poderá ser. Mas sempre tenho o próximo fim de semana, com a família, no Alentejo.

Zombies forever!

Domingo, 7 de Agosto, 2005

Mais 4 DVDs encomendados:

  • Night of the Living Dead (remake de 1990)
  • Dawn of the Dead (remake de 2004)
  • The Serpent and the Rainbow (é sobre “zombies voodoo”, mas parece bom)
  • Zombie Flesh Eaters (título original: “Zombi 2”, do Lucio Fulci, dizem que é dos filmes com mais “gore” de sempre. Promete. :))

Entretanto, já vi o Resident Evil: Apocalypse. As críticas não eram das melhores, mas gostei bastante – não só se aproxima muito mais da história dos jogos (mistura a do 2 com a do 3), como a Jill “master of unlocking” Valentine está linda ;), como toda a parte de a cidade estar “overrun” por zombies está excelente e “realista”. Agora é esperar pelo 3…

Parece que saí do banho…

Sábado, 6 de Agosto, 2005

… mas não. Saí, sim, de 15 minutos de Dancing Stage Euromix.

O banho é a seguir. 🙂

É uma sensação agradável, isto… cansa, mas ao mesmo tempo sinto-me bem.

E, se eu fosse menos preguiçoso, já estava com um corpo escultural há montes de tempo. 🙂

20050805

Sexta-feira, 5 de Agosto, 2005

Como já tinha mencionado, comecei a ter mais cuidado com o que como e bebo durante a próxima semana ou duas. E tenho de admitir que já me sinto melhor. Hoje dormi como uma pedra (bem, elas não se mexem quando dormem :)), e ainda queria dormir mais quando o despertador tocou. Vamos ver se isto se mantém, já que o meu sono não costuma ser dos melhores.

Já tenho a N-Gage, e vem com a última versão de software (4.10, antes era a 3.15). Ainda não fiz grandes testes, mas parece que resolveu o problema que tinha com o Bluetooth (além do problema maior – agora já liga! :)) E espero conseguir recuperar algumas das coisas que tinha, graças a um backup. Uma dúvida, agora: como não me parece muito prático andar com 3 telemóveis (além de que isso implicaria um cartão/número novo), será que passo o cartão do telemóvel da empresa para a N-Gage, e passo a andar com esta e o 6630? Ou deixo a N-Gage de férias e mantenho o 6100 da empresa? Decisões, decisões…

Vi ontem o Shaun of the Dead. Bem bom. Nada como uma boa comédia romântica com zombies. 🙂