Arquivo da Categoria ‘Sites’

Sim, ainda estou vivo (parte II: a vingança)

Segunda-feira, 24 de Junho, 2013

2 anos, 2 meses e 9 dias! Acho que nunca tinha ficado tanto tempo sem escrever aqui. 🙂

Não há de momento novidades “fantásticas”, mas a vida em geral até vai bem. Estou a trabalhar por turnos, o que é bastante mau (“vida social”? “dormir mais de 5 horas seguidas?” “andar sem sono”? O que é isso?), mas supostamente isso é para mudar, em breve (e, se não for, terei de fazer alguma coisa a respeito; nada que não se resolva).

Em termos de jogos, acho que actualmente jogo mais no iPad do que no resto dos sistemas todos juntos, com o PC num (distante) segundo lugar. Andei há pouco tempo (e voltarei a andar em breve, eu conheço-me) numa fase de aventuras de texto, em especial as da Infocom, empresa que me passou completamente ao lado enquanto existiu, em grande parte por uma razão: todos os jogos deles necessitavam de uma drive de disquetes, e, sem contar com o ZX Spectrum +3 (para o qual eles nunca lançaram nada, sendo americanos), só tive um computador com disquetes (um PC) nos anos 90, quando a empresa já tinha sido absorvida e destruída pela Activision (além de as aventuras de texto já não serem populares, como foram — e muito — na primeira metade dos anos 80). Mas não só são perfeitamente jogáveis nos dias de hoje, tanto em emuladores dos sistemas originais (Commodore 64, Atari 800XL, Apple II, Atari ST, Amiga, MS-DOS, etc.) como em interpretadores (que correm nativamente os “datafiles” originais), como ainda por cima foi lançada há tempos uma versão excelente para iOS, The Lost Treasures of Infocom, que (no meu iPad com um teclado Bluetooth) é, para mim, a forma ideal de experimentar estes jogos nos dias de hoje.

De resto… tenho andado a melhorar dois mini-sites, o Fantasy Name Generator, e a sua versão portuguesa, o Gerador de Nomes de Fantasia. São basicamente a mesma coisa, e partilham a maior parte do código, mas cada um faz coisas que o outro não faz, por não fazerem sentido na língua do outro. Por exemplo, ambos geram nomes modernos na língua em questão, e os nomes de super-heróis / super-vilões que cada um gera são na língua correcta (aqui, a versão em inglês funciona bem melhor, em grande parte por a língua portuguesa ter “sexo” para a maioria dos substantivos: por exemplo, “hand” e “feet” não têm sexo, mas “mão” é feminino e “pé” é masculino; para evitar construções incorrectas, a versão portuguesa é mais limitada). Há também um blog com as novidades desses sites.

EDIT: e agora há também uma versão em espanhol (ou castelhano, se preferirem): Generador de Nombres de Fantasía. Ainda vou ter de pedir alguém que realmente domine a língua para ver quantos disparates de tradução foram feitos 🙂 , e falta a parte dos nomes modernos espanhóis, mas, mesmo assim, é o primeiro site nessa língua que alguma vez lanço. 🙂

99500 euros por um site em Drupal?

Segunda-feira, 30 de Novembro, 2009

Notícia aqui.

Centenário da República

Valores vistos aqui.

Além do preço espatafúrdio (500-1000 euros são valores normais para um site deste tipo), do uso tanto de software open source grátis como de um theme também grátis1 e do facto de não ter havido concurso, chamo também a atenção para o prazo: 120 dias. 4 meses.

Centenário da República

Eu — que não sou programador nem designer — acredito que fazia aquilo em menos de uma semana (instalar o Drupal, instalar o theme, mudar cores aqui e ali, pôr as imagens que já me teriam dado, criar utilizadores e permissões para quem vai tratar dos conteúdos). Talvez até menos.

Ponho agora a questão: alguém vai pagar por isto (além dos contribuintes, naturalmente)?

  1. o problema não é fazer uso desse software, até apoio que tal seja feito (é bem melhor do que dar dinheiro à Microsoft ou à Oracle para obter resultados muitas vezes inferiores); simplesmente, desta forma não há realmente qualquer justificação — mesmo que má e estúpida, como “custos de licenças de software” — para um valor deste tipo. []

Nova ferramenta: gerador de mapas para RPGs / Wargames

Segunda-feira, 9 de Novembro, 2009

Aqui está: Map Generator for RPGs and Wargames. Produz coisas como isto (sem ser assim brutalmente reduzido, é claro):

Exemplo do gerador de mapas

As texturas são horríveis, eu sei. Feitas por mim no GIMP em menos de meia hora… 🙄 Talvez um dia destes chateie alguém para fazer umas melhores. 🙂

O código para gerar mapas mais ou menos realistas (isto é, com os tipos de terreno agrupados em “manchas”, em vez de cada hexágono ser aleatório independentemente dos outros) é algo com o qual já tinha brincado lá para 2005 ou 2006; encontrei o ficheiro .php no servidor quando pensava que tinha perdido isto há anos. Por acaso demorei para aí uns 15 minutos, na sexta, a entender como é que tinha feito aquilo. 🙂

A parte de web, customização, geração de imagens (com a biblioteca GD), texturas, e a possibilidade de guardar mapas através do URL são trabalho de hoje e da passada sexta-feira.

EDIT: agora também faz mapas quadriculados (em vez de hexágonos), e usa caching para apresentar mapas anteriormente gerados sem ter de o voltar a fazer.

Nova ferramenta: Gerador de Poesia

Terça-feira, 3 de Novembro, 2009

Aqui está a minha última brincadeira: um Gerador de Poesia (em inglês). 🙂

Já andava com vontade de fazer uma coisa deste género há anos (tinha no meu servidor, numa área não disponível, umas tentativas iniciais, sem grande sucesso, datadas de 2004!), mas só agora, com a experiência que fui ganhando com as minhas outras ferramentas, e fazendo uso de duas delas (o conversor para o tempo passado e o pluralizador, que não anunciei aqui), é que obtive sucesso.

O resultado está bem melhor do que eu esperava (substancialmente melhor do que todos os outros geradores que googlei, sem dúvida); se por um lado muitos dos poemas não fazem realmente grande sentido, alguns dos produzidos parecem ter algum significado profundo e subtil, e às vezes têm até alguma beleza em termos de linguagem. Nada mau para algo gerado aleatoriamente (mas segundo regras, e usando construções de linhas que tirei de alguns poemas existentes e letras de heavy metal). 🙂

E, sim, o post anterior é resultado deste gerador (se bem que na passada sexta-feira, data desse poema, o gerador estava muito menos evoluído do que agora).

O, Vampires of Revenge

Sexta-feira, 30 de Outubro, 2009

O, Vampires Of Revenge!
Alas, Water Of Marriage!
Angst, Trust, And Misery
Lonely, Rough Thieves Quickly Receive A Disturbed, Rough Lightning
What Is This Street?
Nay, Marriage!
O Disturbed City Whose Moons Are Bleak Laughters!
I Dreamed A Wolf

Enlouqueci? Nope, ainda não. Mais uns dias. 🙂

Ubuntu 9.10 (Karmic Koala) no servidor

Quinta-feira, 22 de Outubro, 2009

Vi há dias no Planet Ubuntu um dos developers a sugerir algo interessante: que fazia todo o sentido fazer a actualização para o Karmic , visto que no dia do lançamento e seguintes os servidores vão estar “entupidos”, e, considerando que faltava na altura pouco mais de uma semana para sair a versão final, era (e é) extremamente improvável que durante estes dias se descubra algum bug grave; aliás, é bem provável que não haja qualquer diferença entre a final e o que está neste momento disponível por apt-get.

Ontem tratei do meu desktop no trabalho (e o Firefox 3.5.x parece bem mais rápido do que o 3.5.x do Jaunty, e ocupa bem menos CPU mesmo depois de abrir uma página com Flash), e hoje de manhã lá ganhei coragem e actualizei o meu servidor (onde este blog está alojado, tal como todos os meus outros sites).

E, como podem ver (caso contrário não estariam a aceder a isto), o “do-release-upgrade -d” correu bem. 🙂

Alguns pequenos problemas:

  • O MySQL, actualizado do 5.0.x para o 5.1.x, não arrancou bem depois do reboot, por se queixar de uma opção skip-bdb no ficheiro de configuração, que aparentemente já não é válida no 5.1. Retirando essa opção, foi questão de relançar o serviço; ele tratou de parte dos upgrades de tabelas graças ao seu script de inicialização, mas queixou-se de algumas coisas; foi necessário dar o comando mysql_upgrade para ficar tudo bem.
  • Ainda relativamente ao MySQL, apesar de este ter ficado a funcionar sem problemas depois do passo anterior, começaram a aparecer erros destes nos logs:
    [ 1076.896983] type=1503 audit(1256197877.875:89): operation="open" pid=13626 parent=13501 profile="/usr/sbin/mysqld" requested_mask="r::" denied_mask="r::" fsuid=0 ouid=0 name="/sys/devices/system/cpu/".
    Resolvido editando o ficheiro /etc/apparmor.d/usr.sbin.mysqld e acrescentando a linha “ /sys/devices/system/cpu/ r,” (sim, tem uma vírgula no fim) no sítio óbvio (no fim, mas antes de fechar a chaveta).
  • Por alguma razão, o memcached deixou de arrancar sozinho; vi que no ficheiro /etc/default/memcached ele tinha sido desactivado. Foi só mudar o NO para YES.

De resto, parece estar tudo bem. Como bónus, deixaram de aparecer uns erros parvos nos logs, relativamente ao leitor de cartões SD da caixa do PC (que aparentemente é visto como um device USB):

kernel: [937885.330015] usb 1-2: reset high speed USB device using ehci_hcd and address 2

que apareciam mais ou menos de 5 em 5 minutos (nunca usei esse leitor, mas suponho que funcionasse, e esses erros fossem só o kernel a sentir-se sozinho e a querer atenção).

E é tudo. Ah, se têm servidores virtuais nalgum serviço de VPS, por exemplo assentes em Xen, daqueles que “fixam” o kernel e não permitem o seu upgrade, tenham cuidado: este Ubuntu mudou o sistema de arranque, e aparentemente requer kernels iguais ou superiores ao 2.6.27. Tive esse problema num slice que tenho lá fora (no qual tive de copiar os dados e reinstalar o 9.04), onde já actualizava o Ubuntu desde o 8.04 sem nunca ter tido problemas.

Mais duas micro-ferramentas

Quarta-feira, 21 de Outubro, 2009

Estas já as tinha feitas há mais de um ano; fiz isto nos meus tempos na IOL, uma para uso meu e outra para uso de colegas. São absolutamente básicas (qualquer programador faria cada uma em menos de um minuto), mas talvez sejam úteis a alguém — pelo menos, chega lá gente por googlar pelo que elas fazem. 🙂

Nova ferramenta: Fantasy Name Generator

Segunda-feira, 19 de Outubro, 2009

Isto não é mais do que uma versão web-based de algo que programei no Spectrum no final dos anos 80, quando era GM de role playing games para família e amigos, e eles encalhavam sempre na parte de escolher um nome para o personagem. 🙂

Esta versão, além de usar tecnologias e linguagens mais correntes (HTML, PHP, MySQL) do que BASIC, permite escolher a raça/tipo do nome (Humano, Elfo, Anão, etc.). Como? Simples: as sílabas na base de dados têm um tipo associado.

Ainda está muito no início, mas vou com o tempo carregando mais sílabas (neste momento tem umas 560), e também já me foram sugeridas umas “features” interessantes, que talvez implemente no futuro.

E, sem mais rodeios… Fantasy Name Generator!

E agora, determine o sexo a partir do nome… em inglês!

Quinta-feira, 1 de Outubro, 2009

Here goes nothing: Guess Gender from a Portuguese name.

Nova ferramenta: Determinar Sexo a partir do Nome

Quarta-feira, 30 de Setembro, 2009

Está aqui: Determinar Sexo a partir do Nome. Enjoy.

Fiz isto durante a tarde de ontem, em sequência de uma conversa com os colegas sobre qual seria a melhor forma de resolver este problema (por exemplo, para enviar mass mails sem dizer genericamente “Sr./Sra.”). Uma forma já existente ia apenas pela última letra do nome, mas isso tinha imensas falhas, obviamente, e houve quem sugerisse uma base de dados exaustiva de nomes portugueses. Mas eu achei que isto seria possível fazer através de regras, baseadas na última sílaba do nome, e depois com um conjunto de excepções para nomes que não “colaborem” com essas regras.

Foram necessárias mais excepções do que pensava, mas neste momento acredito que não está fácil arranjar um nome próprio português europeu em que o programa falhe. Se conseguirem, respondam aqui, please.

Obrigado, já agora, aos membros do VideoGamer-PT e do PokéFórum-PT pelo beta testing, durante a tarde e noite de ontem. 🙂

Os Sites Que Leio Todos Os Dias

Sexta-feira, 30 de Janeiro, 2009

Sem ser por nenhuma ordem de prioridade:

  • Gmail: porque o email ainda é das formas de comunicação mais eficientes e usadas, e este, especificamente, funciona realmente bem.
  • Google Reader: muitos dos blogs, sites de notícias, webcomics e agregadores de blogs que me interessam são actualmente lidos por aí. Se neste momento tu (sim, tu) estás a perguntar porque é que não menciono o teu blog nesta lista, acabei de o fazer. 😉 Realço do que tenho ali agregado, por uma questão de volume e interesse geral, o Prt.Sc e o PlanetGeek, cada um deles agregador de imensos blogs portugueses na sua maioria “geeky”.
  • Planet Atheism: um agregador mantido por mim, que não leio pelo Google Reader (apesar de o poder fazer), com cento e tal blogs com temas ateus, ateu-agnósticos, cépticos, racionais e humanistas. Tenho sido um preguiçoso nojento a responder a pedidos de novos bloggers para entrar, mas mesmo assim o que há já me proporciona (e a mais algumas boas centenas de visitantes) leitura interessante – muitas vezes fascinante – todos os dias. Posso dizê-lo sem problemas, já que o autor dessa leitura fascinante não sou eu 🙂 (OK, tenho eu próprio um blog lá agregado, o Way of the Mind). Sabe muito bem ler racionalidade num mundo irracional e supersticioso.
  • Google News: Aqui o “todos os dias” talvez seja um pouco exagerado, visto que em geral é só quando está a acontecer alguma coisa de interessante. Por exemplo, nos últimos tempos das eleições nos EUA, ia lá várias vezes por dia (e a outros sites mais específicos sobre eleições e política). Agora isso “acalmou” um pouco, mas ainda vou ver o que se passa no mundo, ocasionalmente (já que não vejo televisão nem ouço rádio).
  • Estatísticas dos meus sites e blogs: ok, sou um viciado em estatísticas. Processem-me. 🙂

Nota: não incluo aqui alguns dos sites que mais visito, como a Wikipedia, pela simples razão que, usando esse exemplo, é um site que visito quando quero aprender / ler sobre alguma coisa, mas não costumo abri-la na página inicial todos os dias, como faço com os sites mencionados acima. Ou seja, provavelmente acabo por visitar a Wikipedia todos os dias, mas isso vem do facto de ler imenso e constantemente (ver lista acima), e de não saber tudo. 🙂

WoWForum-PT: back from the mostly-dead

Segunda-feira, 26 de Janeiro, 2009

Primeiro: tenho sono. E já estive mais bem disposto (fisicamente) do que neste preciso momento. Mas daqui a pouco vou almoçar, o que é sempre bom. 🙂

WoWForum-PT - World of Warcraft em Portugal Segundo: é curioso como às vezes um site nosso “pega” mesmo sem intervenção nossa. Case in point: o WoWForum-PT: fórum de World of Warcraft em Portugal. É um fórum que já tinha criado em 2007, mas que por preguiça minha e dos dois moderadores (ambos membros regulares dos almoços BattleCattle), nunca foi devidamente promovido, nem tinha tido intervenção da equipa do fórum há cerca de um ano. Qual não é o meu espanto quando recebo, não um, mas vários mails de membros, no espaço de dias, a pedir moderação para o fórum, e verifico que ele tem, curiosamente, crescido bem nos últimos dias.

E quem sou eu para recusar pedidos tão simpáticos? 🙂 Até consegui fazer com que metade da anterior equipa de moderação voltasse ao fórum, e estou em negociações com a outra metade da equipa. 🙂 Aproveitei também para actualizar o software (que estava com uma versão pré-histórica), e corrigir outras pequenas coisas. Tenho é de ver se acabo finalmente a tradução para português… tenho de arranjar umas horitas para isso. Não é um trabalho difícil, mas é chato…

Novo fórum de animais de estimação!

Quarta-feira, 30 de Janeiro, 2008

Como já não criava um fórum há bastante tempo, e hoje até tive uns minutos livres no trabalho (alguém se deve ter enganado), seguindo a sugestão de um membro do PokéFórum-PT, criei há bocado o Bichezas – fórum de animais de estimação.

Antevejo já alguns comentários / bocas em relação ao nome escolhido… 🙂 Pois é, eu sei que no Brasil (e para muitos portugueses, por influência brasileira) a palavra pode sugerir outra coisa 😀 , mas neste caso é apenas uma forma mais “cute” de dizer “bichos”. Para os simpáticos leitores brasileiros, em português europeu “bicho” é animal, e “bicha” é uma fila (de pessoas, de carros, etc.). 🙂

Bem, se se interessam por animais de estimação, e não têm certo tipo de inseguranças 😉 , espero-vos no Bichezas.

20071025

Quinta-feira, 25 de Outubro, 2007

Já não escrevia um post com um título tão brilhante há um bom tempo, não é? 🙂

Para começar, sim, estou a trabalhar, como tinha dito 2 posts atrás. Faz hoje uma semana que entrei. Até agora, estou a gostar; o ordenado podia ser maior (é o mais baixo que já recebi neste milénio), mas dá para compensar com 1) os sites, e 2) a gasolina que poupo por estar ao pé de casa.

Essa é a única parte negativa. De resto, estou a adorar: o trabalho é variado, é diferente, é novo. Tenho de aprender imenso, mas ao mesmo tempo dá para aplicar alguma da experiência em administração de sistemas dos últimos 10 anos. Mas sinto-me bem: por estar a aprender, por gostar de aprender, e por conseguir aprender, sem problemas, numa idade em que muita gente já se recusa (tristemente) a fazê-lo.

Os colegas também parecem ser simpáticos, competentes, trabalhadores, e, em geral, mais novos do que eu. 🙂 E, pelo que vejo, as pessoas aqui são bem tratadas (o que, mais uma vez, é raro).

Outra novidade: tenho um periquito verde, de nome (naturalmente) Luigi. É verde, e é tímido: tem tudo a ver! 🙂 Ainda não está muito habituado a mim, mas já está a fazer progressos, e é sempre bom ter um novo membro na família. É claro que isso obriga a haver sempre uma porta fechada entre ele e as outras feras de carácter mais felino… mas vai-se sobrevivendo (tanto eu como o Luigi 🙂 ).

E, por último, um novo site. Trata-se de um fórum de convívio, orientado para “pessoal jovem”, de nome Pato Zombie. Pode-se dizer que é como uma versão jovem do meu primeiro fórum, o Pato da Destruição. Está a ter sucesso, com grande parte dos membros vinda de outros fóruns, apesar de ainda não estar a ter hits dos motores de busca. Anyway, espreitem… talvez até gostem.