Entradas com Etiqueta ‘iPad’

Sim, ainda estou vivo (parte II: a vingança)

Segunda-feira, 24 de Junho, 2013

2 anos, 2 meses e 9 dias! Acho que nunca tinha ficado tanto tempo sem escrever aqui. 🙂

Não há de momento novidades “fantásticas”, mas a vida em geral até vai bem. Estou a trabalhar por turnos, o que é bastante mau (“vida social”? “dormir mais de 5 horas seguidas?” “andar sem sono”? O que é isso?), mas supostamente isso é para mudar, em breve (e, se não for, terei de fazer alguma coisa a respeito; nada que não se resolva).

Em termos de jogos, acho que actualmente jogo mais no iPad do que no resto dos sistemas todos juntos, com o PC num (distante) segundo lugar. Andei há pouco tempo (e voltarei a andar em breve, eu conheço-me) numa fase de aventuras de texto, em especial as da Infocom, empresa que me passou completamente ao lado enquanto existiu, em grande parte por uma razão: todos os jogos deles necessitavam de uma drive de disquetes, e, sem contar com o ZX Spectrum +3 (para o qual eles nunca lançaram nada, sendo americanos), só tive um computador com disquetes (um PC) nos anos 90, quando a empresa já tinha sido absorvida e destruída pela Activision (além de as aventuras de texto já não serem populares, como foram — e muito — na primeira metade dos anos 80). Mas não só são perfeitamente jogáveis nos dias de hoje, tanto em emuladores dos sistemas originais (Commodore 64, Atari 800XL, Apple II, Atari ST, Amiga, MS-DOS, etc.) como em interpretadores (que correm nativamente os “datafiles” originais), como ainda por cima foi lançada há tempos uma versão excelente para iOS, The Lost Treasures of Infocom, que (no meu iPad com um teclado Bluetooth) é, para mim, a forma ideal de experimentar estes jogos nos dias de hoje.

De resto… tenho andado a melhorar dois mini-sites, o Fantasy Name Generator, e a sua versão portuguesa, o Gerador de Nomes de Fantasia. São basicamente a mesma coisa, e partilham a maior parte do código, mas cada um faz coisas que o outro não faz, por não fazerem sentido na língua do outro. Por exemplo, ambos geram nomes modernos na língua em questão, e os nomes de super-heróis / super-vilões que cada um gera são na língua correcta (aqui, a versão em inglês funciona bem melhor, em grande parte por a língua portuguesa ter “sexo” para a maioria dos substantivos: por exemplo, “hand” e “feet” não têm sexo, mas “mão” é feminino e “pé” é masculino; para evitar construções incorrectas, a versão portuguesa é mais limitada). Há também um blog com as novidades desses sites.

EDIT: e agora há também uma versão em espanhol (ou castelhano, se preferirem): Generador de Nombres de Fantasía. Ainda vou ter de pedir alguém que realmente domine a língua para ver quantos disparates de tradução foram feitos 🙂 , e falta a parte dos nomes modernos espanhóis, mas, mesmo assim, é o primeiro site nessa língua que alguma vez lanço. 🙂