Entradas com Etiqueta ‘Religião’

Ideia: blog de ateísmo em português

Quinta-feira, 11 de Fevereiro, 2010

Já escrevi aqui alguma coisa sobre ateísmo e religião, provocando as respostas do costume (“se não és um teólogo não podes falar do assunto”, “não percebes nada disto”, Pascal’s Wager, etc., bem como, talvez mais ainda, “se falas tanto nisto é porque no fundo acreditas” ou “és tão fanático como eles”, que, na melhor das hipóteses, são um “isto não me interessa, logo não é legítimo falares do assunto”… e se isso é a melhor das hipóteses, imaginem as piores). Mas ando com alguma vontade de escrever mais sobre o assunto, o que realmente se poderia tornar chato para quem 1) queira ler o meu blog pessoal mas não tenha interesse no assunto, e 2) leia o blog pelo PlanetGeek; acho que um blog maioritariamente sobre ateísmo (ou sobre religião, ou sobre política, ou…) não faz realmente muito sentido estar agregado lá (se bem que longe de mim reclamar se aparecer lá algum assim).

Assim sendo, ando há tempos a pensar em criar um novo blog, começando por copiar para lá os posts que fiz aqui sobre o tema. Ainda não decidi completamente se o vou fazer, mas a coisa está encaminhada nesse sentido, já que, caso não o faça, vou sempre estar a “auto-censurar-me” ao escrever aqui (ex. “não escrever vários posts seguidos sobre isto”, “ando a escrever demais sobre o assunto”, “não quero que o blog seja isso”, etc.)

A desvantagem óbvia é que antecipo muito menos leitores, já que aqui sempre “atinjo” amigos e o PlanetGeek, enquanto o novo blog vai ser, imagino eu, maioritariamente ignorado pelos primeiros (não tenho amigos que se interessem pelo assunto) e não vai estar agregado no segundo. Mas mesmo assim parece-me ser a coisa certa a fazer; pelo menos escreverei o que quiser sobre o tema, sem “papas na língua”, e na quantidade que quiser.

Não há muita coisa em Portugal sobre este tema. Googlando, descobri uma Associação Ateísta Portuguesa e um Portal Ateu; penso incluí-los (sobretudo o segundo, que parece ter actualizações regulares) na minha leitura diária, mas acho que o foco do que planeio fazer — é só olharem para os posts anteriores — é um bocado diferente, e não vai propriamente haver “competição” entre ambos.

Vai ter leitores? Não sei. Imagino que até apareçam mais brasileiros do que portugueses; nós cá somos muito apáticos em relação a estes temas, sendo essencialmente um país de “Católicos não praticantes”: acreditamos que deve haver algo “superior”, dizemos “meu deus!” como interjeição, e vamos à missa pelo menos em baptizados, casamentos e funerais; ou seja, não somos ateus, de forma alguma, mas também não temos as nossas vidas em geral afectadas pela religião (afinal, os milhões de africanos a morrer por causa da Sida que prolifera graças às monstruosas mentiras do Vaticano “estão lá muito longe”)… excepto, claro, em questões como o aborto e o casamento de homossexuais, em que aí se vê a força da religião, mesmo na sua versão “não-praticante”, e a sua capacidade de impedir a igualdade de direitos, travar o progresso da humanidade, e aumentar o sofrimento.

Bem, quando (e se, se bem que é o mais provável) lançar o site, menciono-o aqui, e não me voltam a ouvir falar disto se se limitarem a ler este blog. 🙂

Ateus, crentes, agnósticos, gnósticos e “apateus”

Quinta-feira, 5 de Fevereiro, 2009

A Sara, simpaticamente, disse num comentário:

Eu não sou religiosa, sou agnóstica, não porque jogo pelo seguro, mas porque não me importa de uma maneira ou outra. Não dou importância a qualquer deus ou religião para perder tempo a achar se existe ou não, simplesmente passa-me ao lado. Se existir, parabéns sr. deus/deusa/deuses, se não existir é-me irrelevante.

O que vou escrever agora não é a discordar da Sara, de forma alguma; é só uma dissertação sobre as várias definições, já que acho que há muita gente que as confunde, e/ou não as conhece todas. Sara, isto não é especificamente para ti, OK? 🙂

Então é assim: há muita gente que vê as coisas como Ateu —- Agnóstico —- Crente, equivalendo esses nomes a diferentes “níveis” de crença num ou mais deuses. Mas isso é uma simplificação exagerada, um bocado como o “Esquerda —- Direita” em política. Tal como neste último exemplo, o melhor é pensar em duas medidas diferentes, que poderiam ser demonstradas num gráfico em duas dimensões:

  “Não dá para saber” “Dá para saber”
“Deus não existe” Ateísmo Agnóstico Ateísmo Gnóstico
“Deus existe” Teísmo Agnóstico Teísmo Gnóstico

Exemplos:

  • qualquer crente fanático / fundamentalista é um crente gnóstico (há algum equivalente em Português a “theist”? “Teu” não me parece ser uma boa tradução… 🙂 )
  • a maioria dos crentes por tradição (comuns nos países europeus com religião estatal, como Portugal) são crentes agnósticos (acreditam que há um Deus, mas nunca poriam as mãos no fogo por isso, nem se preocupam muito com o assunto), ou então “apateus” (já lá vamos)
  • a posição que considero ser racional para um céptico, que só acredita em afirmações quando há evidência, é ser um misto de ateu agnóstico e gnóstico; ou seja, eu sou agnóstico em relação a algum deus, mas sou gnóstico – isto é, afirmo convictamente que não existem – em relação, por exemplo, aos deuses dos 3 grandes monoteísmos na Terra, que têm características específicas e muitas vezes auto-contraditórias, e cujas afirmações em relação a eles, tanto históricas como científicas, são completamente destruídas, you guessed it, pela História e pela Ciência.

Já agora, muita gente auto-descreve-se como agnóstica quando na verdade é “apateísta”. “Agnóstico” significa “é impossível saber se sim ou sopas”, mas não é isso, pois não? “Apateísmo”, vindo de “apatia”, significa “estou-me nas tintas para se existe um deus ou não”. E esse é o caso de quase todos os auto-proclamados agnósticos. Não é que achem impossível saber; simplesmente, não estão realmente interessados no assunto, one way or another.

Por último, uma coisa em que em geral as pessoas não pensam: tanto os “apateus” como os verdadeiros ateus agnósticos são ateus “de facto”, isto é, vivem toda a sua vida no pressuposto de que não há nenhum deus. A diferença principal entre eles e um “verdadeiro” ateu é que não pensaram muito no assunto, não o consideram importante, e nem fazem qualquer tipo de activismo (que se pode limitar a escrever sobre o assunto). Mas, na totalidade das suas vidas, agem exactamente como ateus. Acho importante ter isto em conta, sobretudo quando acusam os ateus de “fanatismo” ou de “precisarmos de tanta fé como os crentes”.

Já agora, a Sara — como suspeito ser verdade para a maioria dos portugueses, pelo menos abaixo dos 60 — é claramente uma “apateia”. 🙂

Aborto e sofrimento

Quinta-feira, 18 de Janeiro, 2007

Em resposta aos vários comentários em Aborto e Controlo:

Um feto não é um ser humano, é um potencial ser humano. Pô-lo acima de um ser humano VIVO, que pensa e sente, é absurdo.

E é curioso que já mencionei isso no outro post várias vezes, mas nenhum dos pró-nãos comenta: e a questão do sofrimento? A questão de estarem a condenar, muitas vezes, tanto a mãe como a eventual criança a uma vida de dor, sofrimento e tristeza? Isso não vos incomoda, pois não? Serem “protectores da vida” faz-vos sentir muito heróicos, muito morais, e estão-se nas tintas para o resto.

“Vida” é muito mais do que um coração estar a bombear sangue. Mas para vocês, só isso é que conta.

Mais uma vez: não querem abortar? Não abortem. Mas deixem os outros em paz.

Gente como vocês já atrasou a medicina em séculos, por fazer com que autópsias fossem tabu. Já atrasou a ciência em séculos, por perseguir cientistas que afirmavam coisas contrárias à posição da igreja.

Gente como vocês tentou impedir o fim da escravatura há alguns séculos, porque na Bíblia esta é aceite como algo normal. Tentou impedir o uso de anestesia no parto, porque a dor do mesmo era suposto ser o castigo de Deus a Eva e descendentes.

Gente como vocês tem feito com que gerações após gerações, em países mais pobres, vivam em fome e miséria, devido à condenação do uso de contraceptivos. Tem impedido que se cure doenças como a de Parkinson, porque isso envolve tipos de pesquisa que ofendem as vossas susceptibilidades.

E agora não têm nenhum problema em condenar mulheres e crianças a vidas inteiras de sofrimento, só por causa de “slogans” retrógrados que têm nas cabecinhas sem realmente terem alguma vez pensado no assunto.

A sério, deixem o mundo em paz. Já provocaram mal que chegue.

Cristianismo sem a Bíblia

Quarta-feira, 15 de Novembro, 2006

Para um Cristão tradicional, a Bíblia é a “palavra de Deus”. Penso que até aí ninguém discorda. 🙂 Mas, obviamente, as coisas não são assim tão simples…

Em Portugal, onde o Cristianismo é quase sempre Catolicismo, e as pessoas são Católicas mais por tradição do que por fé, participando nos rituais (baptismo, 1ª comunhão, missa ao domingo, casamento pela igreja, etc.) mas não levando realmente “a coisa” a sério, isto não é normalmente um grande problema. Mas em sociedades mais fundamentalistas, como os Estados Unidos, é comum uma grande parte da população acreditar na Bíblia à letra. Mundo criado em 6 dias, Adão, Eva e uma cobra, a patecice completa da Arca de Noé, Jesus Cristo a fazer milagres, ser crucificado e ressuscitar, o Universo existir apenas há cerca de 6000 anos, a evolução ser uma fantasia de cientistas, etc..

Como disse, a Bíblia não é tão “levada a sério” no Catolicismo tradicional (a maior parte dos Católicos, acredito, nunca a terá sequer lido). Mas será que isso faz sentido? Eu (já agora, sou ateu, para quem esteja aqui pela primeira vez 🙂 ) penso que não.

Se pensarmos um pouco, só há 3 hipóteses: ou a Bíblia é 100% divinamente inspirada, ou é parcialmente divinamente inspirada, ou não o é de todo (isto é, não tem nada a ver com qualquer deus (ou deuses) que exista). Bem, vamos ser honestos, e adicionar uma 4ª possibilidade: Deus não existe. 🙂

Vamos, então, explorar cada uma das hipóteses, e os problemas que cada uma levanta:

1- Deus existe, e toda a Bíblia é divinamente inspirada.

Problema: Isto inclui, então, as partes que dizem que as mulheres são propriedade dos homens, as partes de sacrifício de animais, as partes que dizem para matar quem acredita noutros deuses, as partes que condenam à morte quem trabalha no sábado, as partes de genocídio de outros povos, as partes de regras alimentares ultra-rígidas, e, claro, as partes que contradizem outras partes.

2- Deus existe, mas somente algumas partes da Bíblia são divinamente inspiradas.

Problema: Não é possível determinar quais partes. Pergunta a dez crentes, e provavelmente obterás dez respostas diferentes. A maioria das pessoas escolherá aquelas partes com as quais já concorda como sendo divinamente inspiradas, e as partes com que não concorda como sendo obviamente produto de seres humanos comuns. (Por exemplo, um homem sexista provavelmente escolherá as partes sexistas; quem não o seja, não concordará com ele.)

Mas o que é que faz as tuas partes preferidas divinamente inspiradas, e as do tipo ao lado não? Objectivamente, não podes ter a certeza (“eu sinto Deus nestas partes” não é objectivo!). Qualquer um pode achar algo na Bíblia que justifique as suas acções.

Assim, se acreditas que só parte da Bíblia vem de Deus, então não achas arriscado obedecer a alguma parte? Afinal, podes estar a seguir a parte errada, e a ignorar algo que realmente é a vontade de Deus… E, se a tua alma imortal está em jogo, então é, simplesmente, um risco grande demais tentares, como ser humano falível que és, “adivinhar” que partes vêm de Deus. É como jogar aos dados com a alma.

3- Deus existe, mas a Bíblia não tem nada a ver com ele.

Problema: OK. Mas, então, como é que conheces Deus? Como é que sabes alguma coisa sobre ele? Como é que sabes que existiu um tipo chamado Jesus que era o filho de Deus e morreu pelos teus pecados? Não há nenhum registo contemporâneo da vida de Jesus, fora da Bíblia. “Sinto isto no meu coração” é algo completamente subjectivo; outra pessoa pode sentir “no seu coração” algo completamente oposto, e, objectivamente, não tens maneira de saber que os teus sentimentos vêm de Deus, enquanto o outro tipo está simplesmente a imaginar coisas. Afinal, ele está, provavelmente, igualmente certo de que os seus sentimentos têm origem divina. Se Deus realmente comunicasse através de sentimentos ou sensações, então todos nós — ou pelo menos uma grande maioria — sentiríamos exactamente as mesmas coisas; Deus não iria transmitir mensagens tão diferentes e contraditórias. Mas isso não acontece. Não há uniformidade no que “sentimos cá dentro”.

4- Deus não existe, o que implica que a Bíblia vem apenas da imaginação humana.

Problema: Nenhum, que eu veja. 🙂 Esta é a mais simples e mais provável das hipóteses, na minha opinião.